Revista Brasileiros

Cobertura VII FLIP – Weekend à francesa

No encontro de ex-companheiros, nada de lavar a roupa suja em público

04 de julho de 2009, de Paraty

Entraram no palco uma graciosa mulher de meia-idade, trajando vestido colorido e meias calças pretas; um charmoso homem de camisa desalinhada e pouco cabelo desgrenhado grisalho, e um rapaz de óculos cheio de nervosismo. O show ia começar: entretanto, não houve show nenhum.

Para quem esperava uma boa lavagem de roupa suja no primeiro encontro em público entre a artista plástica Sophie Calle e seu ex-namorado, o escritor e mote de seu último projeto, Grégoire Bouillier, a segunda mesa deste sábado só proporcionou um bate-papo pacífico e elegante, que no máximo resultou em divertidas risadas devido ao jeito peculiar de tratar da dor e do amor dos protagonistas do espetáculo.

Ángel Gurría-Quintana, temendo o que poderia se desenrolar na próxima hora, se justificou atribuindo um papel inútil a si mesmo como mediador e, numa brincadeira, apresentou Sophie e Grégoire, que se deram as mãos. O acuado Bouillier acendeu um cigarro, alheio aos pedidos para que não se fumasse, e afirmou ser ao mesmo tempo engraçado e trágico estar ali com Sophie, a qual o seguiu apanhando maço e isqueiro.

A exposição Prenez soin de vous, ou Cuide de você, trabalho de Sophie baseado em um e-mail de Grégoire – no qual ele anunciava o rompimento dos dois -, concentrou as atenções da conversa: a artista explicou que não havia entendido completamente a mensagem, e não sabia como respondê-la. Assim, pediu para que 107 mulheres fizessem isso por ela – Sophie só recrutou mulheres porque entendeu que uma carta como aquela só poderia ter como remetente um homem e como destinatário uma mulher. Ela ainda explicou que transformar em arte o recado de Grégoire era uma maneira de ela se distanciar do texto e se recuperar – é a segunda vez que Sophie se apropria de uma desilusão amorosa para criar -, revelando ainda que a carta possuía um elevado potencial artístico. Sophie assumiu desejar a reconciliação com o ex, mas logo depois o agradeceu por não ter voltado para ela: “No fim, o projeto interessou-me mais que a história de amor. Ainda bem que não voltamos, Grégoire, porque eu desistiria de minha ideia!”, exclamou ela, lembrando que a exposição não era uma vingança, e sim um projeto artístico que valia a pena.

O sedutor escritor, que ajudou Sophie com o problemático microfone, confessou que não esperava que o rompimento (algo sempre terrível em qualquer situação e com qualquer pessoa) se transformasse em arte – e se tornasse 107 vezes terrível. Também garantiu se sentir privilegiado por fazer parte do bem-sucedido resultado, mesmo não estando de acordo com a intenção de Sophie no início de tudo – e, após entendê-la, ainda não compreender a motivação das mulheres que participaram do trabalho. “Duas mulheres chamadas por Sophie se recusaram a fazer parte do projeto. O que significa que eu ainda tenho alguma chance!”, contou Grégoire.

Sophie, que foi quem sugeriu a presença de Grégoire junto à sua mesa na Flip, justificou o convite falando do risco que corria: “Se eu não chamasse Grégoire, seria por motivos horríveis, como medo. Além disso, ele não está aqui como minha vítima, e sim como um escritor”. Já Grégoire afirmou ter aceito o pedido para mostrar que não cometeu todos os erros que pensam. “Não é proibido amar e deixar de amar alguém”, disse ele.

Nos momentos finais do debate, Grégoire soltou um aliviado “As coisas estão indo muito bem”. Questionado se sua vida havia mudado após a exposição, ele proferiu um orgulhoso “não” e, quando se pensou que ele derrubaria a supremacia da artista, ela rebateu com um divertido “a minha sim”. Talvez como vingança, Grégoire não pôde escapar de mais uma intimidade revelada por Sophie antes de saírem de cena: “Quando estávamos chegando aqui, preocupados se sairíamos como amigos ou inimigos, Grégoire propôs que eu lhe pedisse desculpas: dessa maneira, ele se casaria comigo. Mas eu não desculpei Grégoire, e não garanto que me casaria com ele mesmo assim”. Nada como a delicadeza francesa.

(Cobertura publicada no site da Revista Brasileiros. Você pode ver este texto aqui. Escrito em parceria com Isaac Pipano)

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: