Revista Brasileiros

Cobertura VII FLIP – Relatos ficcionais

Um afegão, um brasileiro e uma irlandesa

04 de julho de 2009, de Paraty

Diz a mitologia persa que syngué sabour (pedra e paciência, convertido para o português como pedra-de-paciência) é um artefato com propriedade mítica que, posto diante de uma pessoa, pode absorver as dores, agruras e infelicidades através dos lamentos. Ao final das confissões, como uma esponja que absorve o líquido, a pedra contrai para si o acúmulo do sofrimento e se racha, deixando liberto o confessor. Syngué sabour – pedra-de-paciência, do afegão Atiq Rahimi, auto-exiliado na França em 1985, país onde vive até hoje, trata de uma mulher afegã, cuja vida foi reprimida por um marido brutal, agora debilitado – entre a vida e a morte, mais próximo desta -, como uma syngué sabour personificada, que sem a possibilidade de resposta, permanece inerte no acerto de contas com a esposa. A raiz do acerto ultrapassa a relação marido-mulher, referindo-se à submissão da condição feminina no país e às atrocidades acometidas pelos homens.

Dividindo a mesa O avesso do realismo com o autor brasileiro Bernado Carvalho, dono de uma já vasta coleção que inclui um único livro de contos, Aberração, e mais nove romances – entre eles, o premiado MongóliaNove noites e O Sol se Põe em São Paulo. Sob encomenda, Bernardo foi a São Petesburgo e encontrou uma cidade por detrás de fachadas imponentes e avenidas projetadas, escondida em sua decadente falsa imponência. O ilho da mãe foi concebido após um mês de estada de pânico solitário na cidade, período onde Bernardo conheceu as vielas que guardam sujeitos pouco solícitos, hotéis escuros e um gosto amargo de desesperança.

O mote da discussão, um suposto onírico que emana da obra dos dois, foi tratado de modo controverso por ambos os autores. Bernardo afirmou que sua obra é realista, do ponto de vista que – desde o romance Nove Noites – deu-se conta de que o público esperava que houvesse um ponto de confluência entre a narrativa ficcional e os fatos expressos na realidade. E tal ponto mostrou-se muito produtivo para sua própria narrativa.

“Eu não concordo, acho que são relatos realistas. Mas que trazem o germe da sua autodestruição no bojo”, contestou Bernardo, quando a mediadora Beatriz Resende inferiu que a obra dos dois parecia ser, realmente, um avesso do realismo. Atiq afirmou: “Eu não sei o que é o realismo”, sustentando que seus livros baseiam-se numa cultura oral, proveniente dos registros de seu país, que desconheciam formas narrativas estruturadas como o romance. Reconhecendo a matéria que gerou os livros O filho da mãe e Syngué sabour – pedra-de-paciência, atribuir à mesa o nome de O avesso do realismo pareceu, inclusive aos autores, um despropósito.

Edna O’Brien

A aristocrática Edna O’Brien disse estar vivendo dias irlandeses em Paraty – segundo a escritora, a névoa que chegou por aqui na noite de quinta era culpa sua, só para lembrar sua terra natal. Afinal, a obra de Edna tem forte presença da Irlanda, lugar do qual ela fala com um misto de extrema ternura e mágoa. A escritora conversou com Liz Calder – calçando confortáveis chinelos de dedo na sua familiar Paraty – na tarde de ontem, e falou por pouco mais de uma hora de sua biografia, sempre entrelaçando-a de maneira poética à Irlanda – a qual, segundo ela, é extremamente inspiradora para a literatura devido às belíssimas paisagens, e extraordinariamente coercitiva devido à ausência de liberdade que assola o país desde a década de 60 – quando seu livro de estreia, Country girls, foi proibido e teve cópias queimadas – até os dias de hoje.

Em conversa morna, Edna também afirmou acreditar em Deus e em ressurreição (e nesta hora perguntou se o biólogo ateu Richard Dawkins não estava por ali), destacou o valioso significado de se reler os livros – e assim se aprender algo que já se sabe -, e discutiu sobre o papel da mãe como figura central na obra de um autor, citando como exemplos sua própria história e também de James Joyce, do qual O’Brien é biógrafa reconhecida – assim como de Lord Byron, o qual também figurou como assunto da mesa.

(Cobertura publicada no site da Revista Brasileiros. Você pode ver este texto aqui. Escrito em parceria com Isaac Pipano)

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: