Revista Brasileiros

Cobertura VII FLIP – Flores de plástico e amores expressos

Um autor mexicano e outro francês

03 de julho de 2009, de Paraty

Flores, seu primeiro livro recém-publicado no Brasil pela Cosac Naify, trata de uma série de histórias desconexas, textos escritos ao longo de dez anos, que, por acaso, aparentaram-se como pertencentes de um mesmo universo – unido pelo mexicano Mario Bellatin numa obra concisa, na qual cada texto recebe o nome de uma espécie diferente de flor. O que as une certamente traz consigo um caráter autobiográfico que, sem revelar, apresenta algumas das mediações de um cenário projetado por Bellatin. “Rosa” ou “Lírio”, pequenas histórias que compõem o livreto (no sentido de seu tamanho e não de sua força) abordam personagens que sofreram mutações, resvalando na própria biografia de Bellatin: no lugar do braço direito, uma prótese – transformada pelo artista plástico Aldo Chaparro em obra de arte exótica – em forma de gancho, qual pirata.

Além de escritor, Mario fundou, no México, a Escola Dinâmica de Escritores, cuja premissa básica é “no se puede escribir dentro de la escuela”, conta Bellatin a respeito do estranho método. No entanto, ao longo de dois anos, os trinta alunos participantes – que em comum possuem apenas o interesse literário e a prerrogativa da escrita – reúnem-se, com 52 artistas da literatura ou de outras áreas, para a construção de projetos práticos. A idéia do projeto é que a literatura não seja estudada como nas escolas tradicionais, na leitura de clássicos e produção de novas obras; a disciplina de Bellatin, por sua vez, pretende que os alunos recorram a todas as artes a fim de retirar delas o que há de mais prolífico para a reprodução em sua própria escrita.

Sobre sua literatura, pouco revela. Assim como não revela muito de si mesmo, com tom enigmático. “Penso que estou escrevendo sempre o mesmo livro”, como se todas as histórias nas quais se debruçou tivessem entre si um laço que as interliga. Talvez seja a própria vida tal fio condutor.

Suposição cabível, pelo fato do autor haver sido convidado para integrar a mesa O eu profundo e os outros eus, nesta sexta-feira (3), às 17h, com o brasileiro vencedor do Jabuti de 2008 na categoria Romance, Cristóvão Tezza, pelo livro O Filho Eterno. Os autores falarão a respeito dos processos biográficos e suas interferências nas narrativas ficcionais e de que modo um autor pode conciliar as intersecções entre vida e obra.

De tom semelhante foi a coletiva com o francês Grégoire Buillier, 49, que se encontrará com a ex-companheira, Sophie Calle, 55, publicamente pela primeira vez depois de um rompimento conturbado, integrando a mesa Entre quatro paredes, no sábado (4), às 11h45. Grégoire terminou o relacionamento através de um e-mail encerrado com as palavras “Cuide de você”. A partir de sua própria reação com a atitude, Sophie acompanhou outras 107 mulheres de faixas etárias, estratos sociais e profissões distintas diante da frase, transformando o fato na instalação Prenes soin de vouz (cuide de você).

Imediatamente questionado sobre o porquê de ter aceitado o convite da própria Sophie em participar da mesa, Grégoire disse que a única razão para recusar o convite seria o medo do que pudesse acontecer, dizendo que não sabe quais as conseqüências, mas que será divertido. “Há um confusão entre o homem da carta e o escritor”, diz sorrindo, apesar das investidas dos repórteres no tema.

Tentando evitar a aparente confusão, Grégoire afirma que tem sido feita uma leitura equivocada de seu livro, ressaltando o possível tom narcísico da obra, que delata a experiência vivida pelo autor em seus relacionamentos íntimos e familiares. “Não se pode recriminar um escritor por inserir na obra coisas que dizem respeito à sua própria vida. A literatura tem sido avaliada sob o viés da cultura das celebridades, o que mistura interioridade com intimidade”, afirmando que seu livro fala de si, mas do que há internamente nesse eu. Intimidade ou interioridade, os ingressos esgotados comprovam que o encontro de Grégoire e Sophie promete.

(Cobertura publicada no site da Revista Brasileiros. Você pode ver este texto aqui. Escrito em parceria com Isaac Pipano)

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: