Revista Brasileiros

Cobertura 13a Mostra de Cinema de Tiradentes – Muito cinema depois…

Com 35 mil pessoas e R$ 2,5 milhões injetados na economia da cidade, termina a 13ª edição da Mostra de Tiradentes

01 de fevereiro de 2010, de Tiradentes

Nove dias e 128 filmes depois, encerrou-se a 13ª Mostra de Tiradentes, que inaugurou o calendário brasileiro de festivais de cinema no País. Desde quarta-feira (27), a programação continuou extensa e movimentada, com uma grande quantidade de longas e curtas diariamente, além de debates, encontros, oficinas e presenças aguardadas que marcaram os dias finais de festival.

Após os seminários que preencheram a manhã do dia 27, que discutiram as exibições do dia anterior, o bate-papo “O olhar sobre o cinema brasileiro” roubou a cena devido ao ilustre convidado Fabien Gaffez, membro da comissão de seleção da Semaine de la Critique do Festival de Cannes, o mais importante festival de cinema do mundo. Fabien desembarcou em Tiradentes em busca de películas para a mostra paralela do festival francês, a qual elege filmes de jovens realizadores em início de carreira, que estão em sua primeira ou, no máximo, segunda produção. O crítico, que ficou na cidade mineira entre os dias 22 e 28, falou entusiasmado sobre a produção documental que estava vendo na Mostra, destacando Terras, de Maya Da-Rin, e Morro do Céu, de Gustavo Spolidoro, além de comentar seu apreço pela relação que os cineastas brasileiros estabelecem entre as paisagens e os seres humanos. Fabien ainda levou para a Europa uma mala com mais de 50 DVDs, com a promessa de assistir com atenção a todos eles.

Sobre o debate, Fabien dividiu a mesa com a conterrânea Sylvie Debs, curadora do Festival Rencontres Cinémas d’Amérique Latine de Toulouse, além de Rachel Monteiro, consultora internacional do Programa Cinema do Brasil. A conversa girou mais especificamente sobre a imagem do cinema brasileiro na Europa, principalmente em torno das questões de exotismo. Logo depois, a ABD Nacional (Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-metragistas) se reuniu em mais um encontro de classe, que também fez de Tiradentes um espaço de negociação e planejamento de estratégias que envolvem nosso cinema. O dia seguiu com a exibição de mais três séries de curtas, entre os quais chamou a atenção Recife frio, de Kleber Mendonça Filho, que cada vez mais se firma como um grande realizador de curtas no país. A alma do osso, do conceituado artista multimídia Cao Guimarães, velho conhecido de Tiradentes, teve seu pré-lançamento nacional. Apesar de o filme estar pronto desde 2004 e já ter passado por diversos festivais pelo mundo (e com direito a inúmeros prêmios), apenas agora será distribuído em circuito nacional. O documentário Um lugar ao sol, de Gabriel Mascaro, que trata dos moradores de coberturas de luxo no Brasil, completou a programação e resultou em um dos debates mais acalorados no dia seguinte, pois envolveu as questões éticas no método de filmagem e abordagem do diretor.

Além do seminário com Mascaro e sobre os curtas-metragens, a quinta-feira (28) foi um dos dias mais esperados devido à presença do Secretário do Audiovisual Sílvio Da-Rin, que ao lado de outros membros da Secretaria do Audiovisual e do MinC (Ministério da Cultura), escolheu o evento para lançar os novos editais que privilegiam o setor, assim como divulgar as diretrizes políticas da SAv para 2010. A noite foi agitada com a exibição de mais uma sessão de curtas e quatro longa-metragens: Mulher à tarde (Affonso Uchoa), Belair (Noa Bressane e Bruno Safadi), Verdade de mulher (Maria Luiz Aboim) e A falta que nos move (Christiane Jatahy) que, apesar de ser o último da maratona, foi o que mais empolgou a plateia.

O penúltimo dia do festival deu atenção aos debates. Além das conversas sobre os filmes, ainda houve um seminário que discutiu o tema deste ano: Paradoxos do contemporâneo, partindo da pergunta: “Como os filmes brasileiros lidam com seu momento histórico?”. Com mais curtas e o Cortejo das Oficinas pela tarde, que marcou o encerramento da programação de oficinas da Mostra, apresentando os produtos realizados pelos alunos, a noite chegou com mais um intenso programa de longas: Esperando Telê (Rubens Rewald e Tales Ab’Saber), Pacific (Marcelo Pedroso),Herbert de Perto (Roberto Berliner e Pedro Bronz) e Corpos Celestes (Marcos Jorge e Fernando Severo).

No sábado, mais debates, curtas, e a volta da Mostrinha. Os longas que arremataram o festival foram Elvis e Madona (Marcelo Laffitte – e terceiro filme da mostra que traz Simone Spoladore no elenco), A falta que me faz (Marília Rocha) e Dá um tempo!(Evandro Berlesi e Rodrigo Castelhano). Na cerimônia de encerramento, muita ansiedade, principalmente por parte dos jovens realizadores, que são a maioria em Tiradentes.

A premiação ocorre da seguinte maneira: todos os filmes concorrem para o Prêmio do Público, cuja votação é feita sempre após as sessões. Apenas os filmes da Mostra Aurora, que reúne cineastas em seu primeiro ou segundo longa-metragem, são avaliados e premiados por júris: o Júri da Crítica, formado por críticos e estudiosos; e o Júri Jovem, formado a partir de uma oficina realizada durante o Cine BH.
A heterogeneidade dos sete filmes que compunham a Mostra Aurora confirmava mais uma vez o perfil misto da produção brasileira contemporânea. Entre os candidatos, A falta que nos move, Esperando Telê, Estrada para Ythaca, Mulher à tarde, Pacific, Terras e Um lugar ao sol. Entretanto, o caráter do festival, que busca por audácia e formas instigantes, também se refletiu na escolha do laureado. Estrada para Ythaca, de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti foi o grande vencedor, levando os prêmios tanto do Júri da Crítica quanto do Júri Jovem. Os diretores, que também são os protagonistas do longa, falaram sobre a entrega de todos os participantes ao projeto, completando que eles pensam, assistem e discutem cinema juntos – e na produção não seria diferente, já que eles têm um desejo em comum com relação à sétima arte. Neste road movie, após uma bebedeira, quatro amigos fazem uma viagem à cidade natal de um outro amigo que morreu, mas tudo num clima irreverente e com pitadas de nonsense – refletindo perfeitamente a vontade dos diretores de retomar o cinema de vanguarda que possuía humor, como declarou Ricardo Pretti. O filme dos Irmãos Pretti e dos Primos Parente foi o preferido do Júri da Crítica devido ao fato de “apostar em um cinema ousado e vigoroso, realizado coletivamente e que se volta para formas mais cooperativas de se produzir”, segundo Luiz Carlos Merten, integrante da seleção. O Júri Jovem justificou sua escolha indo pelo mesmo caminho: a concretização de um projeto arriscado de cinema e o desejo de busca.

A vitória de Estrada para Ythaca também reforça a presença do Ceará na Mostra, que contou com mais dez curtas-metragens do Estado – sem contar no homenageado Karim Aïnouz, natural de Fortaleza. A montanha mágica, de Petrus Cariry, e As corujas, de Fred Benevides, foram alguns dos destaques cearenses, Estado que vive um momento de vitalidade e com grande foco experimental em sua produção, o que caiu como uma luva no tema do festival. Assim como afirma a cineasta conterrânea dos vencedores, Luisa Marques (Manasses), a efervescência cinematográfica cearense já vem sendo notada nos últimos dois anos, e agora se consolida com o reconhecimento de Tiradentes.

Herbert de Perto, que conta a história da vida e da carreira de Herbert Vianna, líder do Paralamas do Sucesso, foi o longa escolhido pelo Júri Popular, que também premiou o curta Obra-prima (Andréa Midori Simão e Thiago Faelli) na Mostra Foco (destinada aos curtas mais representativos da safra 2009/2010) e o curta Recife frio (Kleber Mendonça Filho) na Mostra Panorama (que traz um amplo painel da produção nacional). O Júri Jovem ainda fez Menção Honrosa ao longa de Affonso Uchoa, Mulher à tardeO filme mais violento do mundo, de Gilberto Scarpa, levou o Prêmio Aquisição Canal Brasil, que dá ao vencedor o valor de R$ 15 mil e a exibição do filme na grade de programação do canal.

Com 35 mil pessoas, R$ 2,5 milhões injetados na economia da cidade e 1.500 empregos criados direta ou indiretamente, a 13ª edição da Mostra de Tiradentes é de agrado quase unânime: da parte do público que visita a cidade e da parte do povo local. Com uma curadoria e organização exemplares, apesar do mar de gente que invade a cidade, multiplicando em muitas vezes a sua população, as únicas queixas dizem respeito a pedidos pelo aumento do número de lojas que aceitem cartão de crédito, pelo acréscimo de linhas de ônibus que levem à vizinha São João Del Rei (onde muitos ficam hospedados), cadeiras mais confortáveis nos espaços de exibição – que também poderiam ter um leve desnível para melhor visualização dos filmes – e cafés e bares que fiquem abertos até mais tarde. Afinal, não há nada melhor que discutir cinema em volta de uma mesa de boteco. E Tiradentes, nesta época, é o lugar mais adequado do mundo para essa discussão.

Os premiados da 13ª Mostra de Cinema de Tiradentes:
Júri da Crítica
Prêmio Aurora de Melhor Filme
 – Estrada para Ythaca, de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diogenes e Ricardo Pretti (CE)

Júri Jovem
Menção Honrosa
 – Mulher à Tarde, de Affonso Uchoa (MG)

Prêmio Aurora de Melhor Filme – Estrada para Ythaca, de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti (CE)

Júri Popular
Melhor Curta – Mostra Foco
 – Obra-Prima, de Andréa Midori Simão e Thiago Faelli (SP)

Melhor Curta – Mostra Panorama – Recife Frio, de Kleber Mendonça Filho (PE)

Melhor Longa – Herbert de Perto, de Roberto Berliner e Pedro Bronz (RJ)

Prêmio Aquisição Canal Brasil – O Filme Mais Violento do Mundo, de Gilberto Scarpa (MG)

(Cobertura publicada no site da Revista Brasileiros. Você pode ver este texto aqui)

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: