Revista Brasileiros

Cobertura 13a Mostra de Cinema de Tiradentes – A brasilidade se manifesta no cinema

A cidade mineira de Tiradentes é palco do primeiro festival nacional de cinema do ano

20 de janeiro de 2010, de Tiradentes

Certa vez, produtores americanos – cercados de suas avançadas geringonças high-tech e embolados com os milhões de dólares no bolso – ficaram estupefatos com a sequência inicial da galinha fugindo do caldo no fenômeno Cidade de Deus (2001), o que rendeu boquiabertos questionamentos ao diretor do longa, Fernando Meirelles. “Mas, ora, era uma câmera presa em um cabo de vassoura e um cara a manejando numa cadeira de rodas, com mais alguém empurrando a dita cuja naquela velocidade.” Não foi bem assim que o cineasta respondeu, mas o método utilizado foi esse sim: o do jeitinho brasileiro – sine qua non no cinema deste lado do continente. Mais malemolência é empregada também na apresentação de nossas produções: como, por exemplo, a realização de um grandioso festival de cinema em uma cidade sem salas de exibição. Assim como para os americanos, vem a atônita pergunta: mas como assim? De qualquer maneira, a ideia deu certo – e como. E se repete pela 13ª vez entre 22 e 30 de janeiro, na cidade histórica de Tiradentes (190 km de Belo Horizonte).

Batizada com o apelido um tanto picaresco de um filho ilustre, herói que faturou feriado nacional, a cinematográfica Tiradentes não entra em festa anualmente apenas no mês de abril. Com seus sossegados cinco mil habitantes e centenas de habituais turistas em marcha, tanto pelas ruas pé-de-moleque quanto pelas trilhas em meio da mata, a aconchegante cidadezinha nos arredores de São João Del Rei entra em ebulição com a 13ª edição do festival que abre a temporada audiovisual do Brasil em 2010: a Mostra de Cinema de Tiradentes.

Grande vitrine que oferece em cenário colonial a multiplicidade da produção brasileira contemporânea, a Mostra de Tiradentes traz como slogan a manifestação da brasilidade no cinema e a pré-estreia dos principais filmes que serão destaque em 2010, incluindo películas que fizeram sucesso quando botaram o pezinho em festivais internacionais no ano passado. Além disso, debates, seminários, exposições, shows, oficinas, trupes circenses e programação infantil recheiam a programação do evento, que oxigena de cinema em atmosfera intimista o encontro de cinéfilos, diretores, críticos, acadêmicos e toda a gente que está por ali, entre uma igreja e outra. Sem caráter competitivo – contando apenas com um júri popular que elege o melhor curta e o melhor longa, os quais recebem o Troféu Barroco -, a Mostra de Tiradentes faz parte do programa Cinema sem Fronteiras, um circuito de festivais que ainda conta com a Mostra de Cinema de Ouro Preto (a qual busca difundir o audiovisual como patrimônio, e que este ano chega em sua quinta edição entre os dias 17 e 22 de junho) e com a Mostra Cine BH (que trabalha contextualizando o mercado audiovisual, e cuja quarta edição vai de 21 a 26 de outubro).

Com homenageados ilustres e temas que procuram refletir sobre o momento cinematográfico do País, já passaram por Tiradentes cineastas, videoartistas e atores da velha (como Nelson Pereira dos Santos, na edição de 2004, ou Paulo José, em 1998) e da jovem guarda (como Beto Brant e Matheus Nachtergaele, ambos na edição de 2007). Neste ano, o diretor cearense Karim Aïnouz é quem recebe a homenagem do festival, que exibe seu mais novo longa (feito em parceria com Marcelo Gomes, deCinema, aspirinas e urubus, 2005) na cerimônia de abertura: Viajo porque preciso, volto porque te amo, road movie poético-experimental para o qual os cineastas colhiam material desde 1999 – e que não podia ter vindo à tona com um título mais lindo. A mostra traz uma retrospectiva de Karim com O céu de Suely (2007), os médias Sertão de acrílico azul piscina (2004, também dividido com Gomes) e Paixão Nacional (1994), além do curta Seams (1993). O filme de estreia de Aïnouz – que também revelou o ator Lázaro Ramos -, Madame Satã (2002), ficou de fora – o que de maneira nenhuma significa que ele seja imperdível.

A escolha de Aïnouz representa bem o espírito que o festival quis promover este ano, através do tema Paradoxos do contemporâneo – Contemporâneo em movimento – Diversidade em produção. A grande diversidade de inscritos – e os paradoxos que eles exalavam – foi o que inspirou a organização na abordagem que reflete a mescla de propostas, realizadores, gêneros e temas que inundam o cinema brasileiro hoje. Para o crítico e cineasta Cléber Eduardo, curador do festival, o tema não procura criar mais paradoxos, mas relacionar as diferenças e encontrar as relações entre elas, além de alavancar um debate que desloque aquele senso comum de que nossas produções sempre giram em torno das comédias de costume, dos dramas sociais e dos documentários.

Entre os 128 filmes em exibição no Centro Cultural Yves Alves e nas duas tendas enormes montadas no centro da cidade, há 29 longas e 99 curtas – a lista é grande e tentadora. Por enquanto, as maiores atenções estão voltadas para Insolação, de Felipe Hirsch e Daniela Thomas, apresentado no Festival de Veneza do ano passado (assim como Viajo porque preciso, volto porque te amo); para a sessão especial de A alma do osso, de Cão Guimarães; o provocador Os inquilinos (Sérgio Bianchi); o vencedor do Festival do Rio, Os famosos e os duendes da morte, do estreante Esmir Filho; além de Natimorto (Paulo Machline) e Cabeça a prêmio (Marco Ricca). Outro destaque vai para a “onda musical”, que traz os filmes Herbert de perto (Roberto Berliner e Pedro Bronz), Mamonas pra sempre (Cláudio Kahns) e o aguardado Dzi Croquettes (Raphael Alvarez e Tatiana Issa), que arrebatou diversos prêmios no Festival do Rio e na Mostra de SP e não para de receber elogios por aí (como o de melhor documentário do ano). Há ainda a Mostrinha de Cinema, que investe na exibição de filmes infantis e reflete a preocupação da formação de público – sem contar as oficinas, direcionadas tanto às crianças quanto aos adultos, que aproximam os espectadores e fomentam novos talentos. E a extensão da mostra não para aqui: a realização de seminários, que discutem as políticas do audiovisual e a presença de entidades e personalidades importantes para os rumos da sétima arte no país, não falta em Tiradentes – um exemplo é o Secretário do Audiovisual Silvio Da-Rin.

A proximidade sugerida pelo clima da Mostra vai mais longe ainda. Todos os dias se realizam debates com os diretores, críticos e a plateia sobre filmes apresentados no dia anterior. Os diálogos e as novas ideias pipocam por todos os lados neste encontro eclético que movimenta o cinema e, para ser mais ousado ainda, oferece todas as atividades de graça – o que prova, mais uma vez, o bom jeitinho brasileiro que dá resultado: é a brasilidade se manifestando no cinema.

Visite o site da Mostra e confira a programação.

(Cobertura publicada no site da Revista Brasileiros. Você pode ver este texto aqui)

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: