Revista Brasileiros

Cobertura VII FLIP – O amigo do rei

Davi Arrigucci Jr. abre a festa em Paraty, com aula sobre Manuel Bandeira, daquelas palestras que obrigam os alunos a anotar pontualmente cada uma das palavras

02 de julho de 2009, de Paraty

“Não há palavra feia, nem bonita. As palavras dependem do jogo que há entre elas”, disse o crítico Davi Arrigucci Jr., na conferência de abertura da 7ª Festa Literária de Paraty. Inaugurando o evento, Davi apresentou uma leitura acerca da obra poética de uma das figuras mais importantes para a arte no País no século XX, o poeta – e homenageado da Flip este ano – Manuel Bandeira.

Antes de iniciar o que chamou de “humilde leitura” da obra poética de Manuel, Davi referiu-se à importância que a leitura deve adquirir no contexto literário do País, afirmando que devemos nos vangloriar mais dos livros que lemos do que daqueles que escrevemos, lembrando do grande leitor – e um dos gênios da literatura internacional – que foi o argentino Jorge Luis Borges. Há em tal afirmação referência imediata ao homenageado Bandeira, poeta que iniciou a atividade já com idade avançada, fruto de anos de constrangimento de uma vida marcada por doenças e debilidade física constantes.

Nesse ponto, o autor de Itinerário de Pasárgada, excelência para a compreensão da poética brasileira, iniciou um percurso de estudo sistemático de obras literárias, assim como o contato com a historiografia e outros campos humanísticos, que ampliou o poder de concepção de sua poética, revelando a singularidade que emergia do cotidiano para tocar o insondável da aventura humana.

Acometido por uma tuberculose que inviabilizou os estudos de arquitetura, confinando-o a uma vida reclusa com gosto “cabotino de tristeza”, o período entre os anos 1920 e 1933 foram de suma importância para a superação de uma pena de si mesmo, revertida na compreensão, expressa nos poemas que compõem LibertinagemA estrela da manhã, das relações existentes entre as próprias internalizações da vida no apartamento e o mundo que se desdobrava afora, reconhecendo que a poesia, enfim, estava em tudo: “tanto nos amores quanto nos chinelos, tanto nas coisas lógicas como nas disparatadas”.

A partir do período vivido num sobrado em Santa Tereza, no Rio de Janeiro, Davi aponta o reconhecimento do poeta Manuel de uma espécie da dialética entre o alto e baixo, o dentro e fora, que brota, com sensibilidade singular, numa poesia que às vezes denota com estranheza a própria essência. Em Um poema só para Jaime Ovalle, por exemplo, fica difícil reconhecer de onde surge com tamanha força aquela sensação que nos remete a uma emoção profunda, tal qual as recordações singelas da infância, que irrompem sem que sejamos capazes de compreendê-las. Essa é a capacidade de Bandeira em “dizer o complexo através do simples”, como afirmou Davi, um simples que nos faz, por vezes, ignorar a grandiosidade do que é dito.

Encerrando sua conferência, que mais teve cara de aula, daquelas que obrigam os alunos a anotar pontualmente cada uma das palavras, com temor de que se perca alguma informação vital, o crítico disse ser a grandeza humilde de Manuel Bandeira a capacidade única de observar os contrastes entre sua própria experiência e o mundo, transformando-o em algo universal. Se “O poema é feito de palavras necessárias e insubstituíveis”, como afirmou Octávio Paz, Bandeira soube reconhecer, como ninguém, a necessidade de dizê-las e Davi Arrigucci Jr., compreendê-lo.

– A tenda do telão deste ano está mais apertada: em vez de 1.200 cadeiras que tomavam conta do espaço no ano passado, nesta edição a tenda abriga 1.400 lugares – o que não evitou que algumas mesas mais disputadas tivessem os ingressos esgotados.

– A mesa de Chico Buarque e Milton Hatoum foi a primeira a ter os ingressos esgotados: em cinco horas não havia mais entradas para a Tenda dos Autores, e em 24 horas acabaram-se os da Tenda do Telão, um recorde de todas as edições da Flip. Uma dica para quem não conseguiu ingresso é marcar presença na bilheteria uma hora antes do evento pretendido e esperar por milagrosas desistências.

– As crianças de Paraty tomaram a Praça da Matriz desde cedo com o início da Flipinha, que já trouxe peças de teatro, musicais e performances com os pequenos nos papeis principais, além das brincadeiras que não param de acontecer entre os “pés-de-livros” e os grandes bonecos da Praça.

– A FlipZona também já abriu sua programação na quarta-feira (1º) pela manhã. O grande destaque é o local onde vai se realizar o evento: um antigo cinema da cidade que, após anos abandonado e fechado, foi restaurado e volta à ativa.

– Se você ainda não fez as malas para a Flip, não se esqueça de colocar agasalho e guarda-chuva: o tempo promete esfriar enquanto a Festa esquenta aqui em Paraty!

– Acompanhando o clima da Flip, entrou no ar O Livreiro, rede social voltada para o universo dos livros. O site, ainda em fase experimental, já conta com “amigos” como Milton Hatoum e Cristovão Tezza, além de parceiros como a Livraria Cultura e o Instituto Moreira Salles – do qual pode-se ter acesso a seu acervo digitalizado por meio da rede.

(Cobertura publicada no site da Revista Brasileiros. Você pode ver este texto aqui. Escrito em parceria com Isaac Pipano)

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: